Dicas para ilustrar (ou: como encarar a folha em branco) - Juliana Rabelo
Visite o portfólio!

Pesquisar

Dicas para ilustrar (ou: como encarar a folha em branco)

fevereiro 17, 2014 Falando de tutoriais, dicas, todo mundo

Olá, pessoas! Hoje vim trazer pra vocês algumas dicas preciosas sobre ilustração. Na verdade, não exatamente sobre ilustração, mas sobre… Bem, o que ilustrar. Sabe quando você quer muito desenhar alguma coisa, mas não faz ideia do que? Quando você pega a folha em branco, e passa horas olhando pra ela, sem reação? Ou quando simplesmente você acorda com um bloqueio criativo horrível e não sabe mais o que fazer pra se livrar dele? Bem, seus problemas acabaram 🙂 
Uma coisa que sempre me perguntam em entrevistas é: o que te inspira? E acho que essa é uma das perguntas mais loucas de responder, porque qualquer coisa me serve como inspiração. Uma paisagem, uma música, uma pessoa, um objeto, uma mudança de temperatura, ímã de geladeira… Mas de qualquer maneira, é essa inspiração inicial que acaba me motivando a desenhar. Então vamos à primeira dica:
#1 busque inspiração
Às vezes, eu acordo de manhã cedo pra dar uma voltinha nas redes sociais e ver o que as pessoas tão fazendo. Hoje, por exemplo, descobri o Tiago Iorc no Facebook, através do meu feed pessoal, mesmo; assisti a uns três vídeos dele e, junto com esse tempinho de chuva que tá fazendo aqui em Fortaleza, já fiquei com vontade de desenhar alguma coisa warmy. Quentinha, aconchegante, cinza, azul, café, fumaça. Tá vendo? É como se uma coisa levasse à outra.
Outra opção são as redes Pinterest, Tumblr e We ♥ it. Sempre que eu tô com bloqueio, dou uma olhadinha por lá e, se não encontro nada que me motive a desenhar, pelo menos salvo uma porção de imagens pra desenhar depois.
E muitas vezes descubro vários ilustradores incríveis nessas redes, que passam a ser minhas novas inspirações e objetos de estudo, e assim sigo nessa eterna e cotidiana reciclagem 🙂
#2 busque referências
Quando você já começa a ter alguma ideia do que quer fazer, então um bom passo é o de buscar referências. Pode ser referências de poses, de cores, de composições visuais, de técnicas, músicas, cartela de texturas, objetos, roupas… Tudo que te ajude a trabalhar mentalmente teu projeto de ilustração. Então vamos supor que eu quero ilustrar alguma coisa sobre princesas. A primeira coisa que faço é digitar “princess” (geralmente, a gente consegue mais resultados quando faz a busca em língua estrangeira) em todos os portais de imagem que conheço, e assim eu recebo uma carga enorme de informação visual.
Só o Tumblr já me deu referências de poses, de quadros, de ilustradores que trabalham o tema, de cartela de cores, de fotografia e de frases/quotes. Agora é só esperar pra ver o que você vai absorver de todo esse aparato de imagens, e ver o resultado no seu desenho 🙂
#3 busque cartela de cores
Muitos estudiosos acreditam que a gente não gosta de alguma imagem (ou roupa, ou acessório, ou quadro…) só por gostar. Eles falam sobre os aspectos implícitos do visual, e um deles é a cartela de cores. Quando comecei a ilustrar, eu sentia muita dificuldade em escolher as cores pra colorir o desenho. Depois de um tempo, passei a educar o olhar e buscar elementos que me agradassem e/ou que deixassem o desenho mais interessante. 
A cartela (ou paleta) de cores sempre me ajuda muito. Vocês podem pensar que ela vai limitar a imaginação, que vai restringir as possibilidades de pintura… Mas pensem também que seguir uma cartela de cores pode ser um desafio e uma experiência incrível: você aprende a trabalhar com “poucas” cores (o que é ótimo quando a gente tá trabalhando pra um cliente, ou mesmo quando a gente quer expressar determinadas sensações com a ilustração), e acaba descobrindo aquele lápis de cor verde-musgo que você nunca tinha usado 🙂 Muitas vezes, é com uma cartela de cores que começo um desenho, porque a própria cor já comunica uma mensagem. E juro que não foi proposital, mas essa paleta combina com a temática das princesas que falei no tópico anterior 🙂 Então vai lá nas suas redes e digita “color chart” ou “color pallete” e seja feliz!
Pra quem é fã do brittish accent que nem eu, digita colour. Brittish accent é amor! ♥
#4 busque seu estilo
Acho que essa é a dica mais preciosa de todas, porque tem a ver com a sua descoberta, a descoberta do seu estilo. E como isso vai acontecer? Depois de algum tempo, e principalmente depois de muita prática. Nesse post, eu falei um pouco sobre a evolução do meu traço, e é impressionante ver o quanto a gente muda em tão pouco tempo, desde que tenha dedicação. Eu estou cada vez mais satisfeita com minhas ilustrações, mas ainda não cheguei onde quero, e demorou muito até eu chegar nesse ponto onde estou.
Buscar por ilustradores é uma das coisas mais enriquecedoras a se fazer pra ter inspiração e construir seu estilo próprio. Cada um deles trabalha vários aspectos de maneira única, o que pode ser motivador pra você começar a desenhar. Não tô dizendo que é pra você sair copiando tudo que eles fazem, e sim pra você observar o trabalho deles e deixar seu coração (nhom!) guardar o que, deles, é bacana pra você. Outra coisa legal é fazer um estudo das ilustrações que você gostar, porque você vai aprendendo as técnicas e ao mesmo tempo vai guardando informações com você. Guarde esses estudos e anote os nomes dos ilustradores que você mais gostar. Depois de algum tempo, esses estudos e esses nomes vão ficar cada vez mais recorrentes (e é normal que apareçam cada vez mais deles, afinal, você estará evoluindo!), até que você vai começar a se “libertar” e fazer suas coisinhas por conta própria. E no final das contas, todas as suas referências vão estar ali, em cada linha, em cada gesto e em cada cor do teu desenho 🙂
Bom, gente, esses são alguns passos que eu sempre sigo quando tô com bloqueio criativo, e quase sempre dá certo 🙂 Tomara que ajude vocês também!
E vocês, o que fazem quando tão com bloqueio criativo? Me contem nos comentários 🙂
Espero que o post tenha sido útil pra vocês!
Beijinhos,



Comente pelo Facebook

Ou comente por aqui:

CommentLuv badge

13 Respostas para "Dicas para ilustrar (ou: como encarar a folha em branco)"

Lizandra Pinheiro - 18, fevereiro 2014 às (00:19)

Amei o post ! To beeem no comecinho (comecinho mesmo rs) e você é uma inspiração pra mim ! Seu trabalho é lindo demais, parabéns ! 😉

Responder

Yuki - 18, fevereiro 2014 às (13:56)

Existe um site que se você estiver sem ideias de desenho, você clica randomize e ele te dá uma ideia. 😀 Conhece? http://www.alexanderlozada.com/playground/docs/creativitycards/creativitycards

Responder

Camera water n dream - 18, fevereiro 2014 às (17:41)

AHHH, eu também sigo essa mesma ~jornada~..

Ainda estou atrás do meu traço, mas todo dia eu desenho um pouco. porque se eu parar, adeus treino jogado fora…

Eu falo muito sobre isso no meu blog também, na falta de mais amigos dessa vibe para compartilhar os mesmos assuntos!

Caso te interesse Ju, é aqui: http://9dadesasolta.wordpress.com/category/ilustracoes/

Ana Lu

Responder

Juliana Rabelo - 18, fevereiro 2014 às (19:09)

Que legal, Yuki! Não conhecia! Muito obrigada pela dica =DD

Responder

Juliana Rabelo - 18, fevereiro 2014 às (19:10)

Que bom que você gostou, Lizandra! Fico feliz por fazer parte das coisas que te inspiram :~) Um abraço pra ti!

Responder

Lena Fernandes - 19, fevereiro 2014 às (13:49)

Juju você esqueceu de uma coisa: saiba desenhar heheheh <3 eu vim aqui ler esse post justamente para ver as dicas de uma profissional como você. Tenho uma cartela de tintas, lápis aquarelado mas nada disso me faz ter o traço que eu sempre quis. Faço até alguns desenhos no photoshop, no illustrator porém dificilmente eu fico satisfeita!

A coisa é que eu não desisto, sempre gostei muito de desenhar, só preciso ter mais paciência comigo e não pegar muita referência se não nunca sai nada.

Adorei te conhecer mais um pouco lá no grupo do roots, você é um amor <3

Beijocas e obrigada por esse post lindo!

Responder

Juliana Rabelo - 19, fevereiro 2014 às (17:47)

Leninha, você me mostrou o problema e a solução! heuheuhuahue! É exatamente isso: tentar, tentar, não desistir, tentar e tentar de novo, o máximo de vezes que você puder :~) Mas as referências são super importantes! Só dá um tempinho pro teu cérebro absorver todas as informações, e depois é partir pro ataque à folha >)

Também adorei te conhecer, e você que é uma querida! O Roots despertou em mim um sentimento que tava lá no fundo da gaveta, esquecido :~ Tô feliz por ter encontrado vocês, e bem mais motivada a atualizar o blog! ♥

Beijinhos! ♥ ♥ ♥

Responder

Juliana Rabelo - 21, fevereiro 2014 às (00:48)

Ana Lu, não sei porque minha resposta ao seu comentário sumiu 🙁

Enfim, gatinha, é isso mesmo! O importante é não parar e nem desistir de treinar. E visitei seu blog, viu? Adorei o conteúdo, tuas postagens são bem bacanas! Continua sempre buscando teu diferencial!

Beijos pra ti!

Responder

Karine Bravo - 27, fevereiro 2014 às (11:53)

Adorei as dicas, mesmo o meu estilo sendo um pouco diferente, tenho vontade de me jogar nesse mundo da ilustração e esse post me deu um norte <3 Beijos! http://www.summer408.com

Responder

Guilherme Vital - 07, julho 2014 às (14:30)

Ju, gostei muito de suas dicas 🙂 Faz pouco tempo que estou acompanhando o seu trabalho e devo dizer que você é muito talentosa.

Eu ainda estou engatinhando na ilustração e aos pouquinhos descobrindo o meu estilo. Abraços 🙂

Responder

Livia Castro - 25, fevereiro 2015 às (03:45)

Parabéns, desde que descobri seu blog ele vem me inspirando a voltar a desenhar, evoluir e descobrir meu estilo. Amo seu estilo e suas dicas são muito boas. Gostaria de saber se você usa uma fotografia de rosto ou pose de pessoas como referência para cada ilustração, ou desenha da sua cabeça, do zero?

Responder

Rebeca Grothe Lucena - 22, maio 2015 às (19:31)

Ju <3, te descobri há pouco tempo e queria mesmo te perguntar como se inspirar e ainda assim desenvolver estilo próprio e acabei encontrando esse post! Obrigadão! Estou começando a "brincar" com aquarela, e foi maravilhoso encontrar teu blog, pois por mais que encontre maior volume de informação em inglês, é tão melhor ler algo de alguém daqui! Tomara que os bons ventos te tragam pro sul qualquer dia… <3

Responder

Angelica Rodrigues - 13, março 2018 às (18:56)

Adorei!!!
Fantastico o post! Parabens por tudo que compartilha!

Responder

Curso de Aquarela

<div class="titulo curso-de-aquarela"><h6>Curso de Aquarela</h6></div>

Mora em Fortaleza e quer aprender aquarela? Eu ofereço turmas regulares no Estúdio Daniel Brandão. Clica aqui pra saber mais! ;)

Ju Rabelo na sua cidade!

<div class="titulo ju-rabelo-na-sua-cidade"><h6>Ju Rabelo na sua cidade!</h6></div>

Quer uma oficina de aquarela na sua cidade? Então clica aqui pra cadastrar seus dados! :)

Receba as atualizações no seu e-mail! Assine abaixo e fique sempre por dentro das novidades:


Juliana Rabelo • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por