Lápis de cor aquareláveis - Juliana Rabelo
Visite o portfólio!

Pesquisar

Lápis de cor aquareláveis

maio 28, 2014 Falando de tutoriais, Equipamentos, dicas

Os lápis de cor aquareláveis foram minha chave de acesso ao universo da aquarela: quando aprendi a usá-los, me senti segura e confiante para continuar com os estudos e partir para as aquarelas em bisnaga (e depois em pastilha). Hoje, quero compartilhar com vocês o que aprendi sobre eles 🙂

 

Os lápis de cor aquareláveis possuem em sua composição um pigmento especial que, ao entrar em contato com a água, aquarela. Isso não acontece com os lápis de cor “normais””, que são feitos para uso em seco. Existem várias marcas no mercado que produzem esse tipo de lápis; algumas que já testei e posso indicar são a Staedlter, Caran D’Ache e os da Faber-Castell, que utilizei nesse post.
Técnica #1

Bom, eu aprendi duas maneiras de utilizar os lápis de cor aquareláveis. A primeira delas é fazendo o desenho com o próprio lápis de cor e depois aquarelando com um pincel úmido ou molhado. Na foto acima, vocês podem ver o coraçãozinho que desenhei e preenchi uniformemente com o lápis de cor.

 

Depois, umedeci o pincel com água e passei por cima do coraçãozinho em movimentos contínuos (tentando tirar o pincel do papel o mínimo possível) e suaves; ao receber a água, o pigmento vermelho tende a “soltar” da folha e a se espalhar de acordo com as pinceladas. No final, o coração ficou bem preenchido e uniforme.
Para obter figuras com volume / luz e sombra, você pode fazer esses volumes ainda com o lápis de cor: quanto mais força você imprimir ao lápis, mais forte fica o preenchimento. Mas atenção: se o objetivo for aquarelar depois, não coloque tanta força assim, pois pode ser que essa pressão toda marque o papel e impossibilite a “saída” do pigmento.
Finalizado o desenho, repete-se o mesmo procedimento para aquarelar: molhar o pincel e passá-lo por cima do desenho já colorido. A parte branca que deixei na foto anterior foi delicadamente preenchida pelo pigmento vermelho, e o coração agora ganhou um aspecto mais volumétrico.
Essa técnica tem como característica forte a presença do rastro do lápis: mesmo depois de ter passado pelas pinceladas molhadas, é possível que aquele desenho inicial apareça de alguma forma no final. Quanto mais leveza você conseguir imprimir ao lápis, menor o rastro que ele irá deixar no papel. Essa técnica é ideal para o preenchimento de áreas grandes, em que você não precisa de muita precisão e detalhamento.
Técnica #2
A segunda maneira de usar os lápis de cor aquareláveis é, como aprendi, “indo beber direto na fonte”. Assim, umedecemos o pincel e passamos ele diretamente na mina (“grafite”) do lápis para a retirada do pigmento. Atenção nesse ponto: nunca mergulhe o lápis diretamente na água, e nem encoste o pincel molhado na madeira do lápis! Isso faz com que a madeira apodreça rapidamente, comprometendo a qualidade e a durabilidade do lápis de cor.
Esse é o aspecto que o lápis, o pincel e a água terão após o procedimento.
Agora é só fazer o que quiser! 🙂 Nessa segunda técnica, existe uma ampla possibilidade de uso – na foto acima, fiz um coração todo preenchido e outro só com o contorno. Essa técnica é ideal para detalhes, áreas pequenas e momentos em que é necessário maior precisão. Ela também explora mais as possibilidades do pincel (variações de pressão e inclinação) e a coordenação motora.
Para bons resultados, utilize sempre material apropriado para aquarela, principalmente o papel. Um papel diferente (não próprio para aquarela) não te dá esse resultado, enverga mais que o normal e corre o risco de rasgar durante o procedimento, ou seja: só dor de cabeça. Nesse post, eu usei o verso do papel Canson Aquarela (linha universitária). Falei um pouco sobre pincéis para aquarela em postagens anteriores, que você pode ver clicando aqui.
*
Agora é só por a mão na massa e praticar! 🙂
Espero que o post tenha sido útil pra vocês! Não deixem de comentar sobre o que vocês acharam, hein?
Um cheiro!



Comente pelo Facebook

Ou comente por aqui:

CommentLuv badge

15 Respostas para "Lápis de cor aquareláveis"

Camila Lacerda - 28, maio 2014 às (03:09)

Que bacana 🙂
Amo essa arte apesar de não tem talento nenhum para isso eu até que entendo de tanto visitar blogs assim kkk

http://www.chadecalmila.com

Responder

Renata Carvalho - 28, maio 2014 às (03:43)

Quando se fala em desenhar, pra mim já parece ser um bicho de sete cabeças, mas até que você não fez parecer difícil. Acho que é só com prática mesmo que a gente chega lá… 🙂
haha

Beijos,
Cenas do meu livro de memórias | Fanpage do Blog

Responder

Melyssa Melo - 28, maio 2014 às (13:01)

Comprei os lapis aquerelaveis e não estava sabendo usar direito. Agora tentarei seguindo suas dicas. Obrigada *-* Adoro o seu blog, mas é a primeira vez que comento por aqui.

Responder

Ana Flávia Sousa - 28, maio 2014 às (13:37)

Oi Juliana! Muito bom aprender mais sobre a técnica com você. Tenho estes lápis e não sabia usá-los direito.
Nas minhas férias irei treinar, porque apesar de fazer arquitetura, não tenho essa delicadeza bonita.
Abraços.

Responder

Nana. - 28, maio 2014 às (22:12)

Muito bom Ju 😀 Engraçado que eu comecei direto nas bisnagas de aquarela, sempre achei meio difícil lidar com o lápis aquarelável. Mas to disposta a tentar mais vezes. Curti as dicas e não conhecia a segunda maneira de usá-los. Poste mais sobre as suas técnicas quando puder!! 😀

Responder

Karol Frota - 29, maio 2014 às (00:24)

Oi Ju, aprendi outra técnica também. Você pinta um borrãozinho com a cor que vc vai usar, depois passa em cima do borrão o pincel úmido. Isso facilita até pra mistura de cores.

Responder

Anielle Casagrande - 29, maio 2014 às (00:28)

Blog lindo e ótimos posts!! <3

Responder

Raylma - 29, maio 2014 às (01:56)

Juliana da para fazer aguarela com papel canson desenho?

Responder

Camila Gerarde - 29, maio 2014 às (02:53)

Ah que post lindeza!!
É claro que já estraguei lápis com a segunda técnica, porque a pessoa aqui, quis passar o pincel em tudo, e agora não há uma ponta que fique grudada no lápis mais 🙁 Mas graças a Deus, fiz isso numa simples caixa de 12 cores..
Ganhei de presente uma de 48 e estava com MEDO de aquarelar com ela, mas seu post me tranquilizou, agora é só eu me controlar e passar o pincel na pontinha, porque com a primeira técnica eu nunca consegui fazer nada de aceitável, haha! Eu só ficava xingando o comercial, com aquele peixinho mentiroso, hahahaha!
Obrigada Ju. ♥
Beijos

Responder

Lena Fernandes - 05, junho 2014 às (19:47)

Ai Juju <3 quando vi essa publicação lá na página do FB curti pois vi uma luz no final do túnel para aquarelar com os lápis que tenho aqui!

Já comprei faz um tempinho e já até utilizei, mas essas dicas de muita pressão ou pouca foram essenciais para que eu volte a tentar pintar novamente <3

Adorei demais e logo logo pintarei e te mostrarei o resultado!

Beijos no coração!

Responder

GabrielMoro - 07, julho 2014 às (16:29)

Bom demais!!!

Responder

karla menezes - 27, agosto 2014 às (18:02)

Para fazer os detalhes acho legal usar um pincel chanfrado.

http://cheiadepapo.blogspot.com/

Responder

Anna - 28, janeiro 2015 às (00:39)

Amei o post!

Responder

Nathalia Soares - 06, outubro 2015 às (05:14)

Foi muito util! Obrigada!!

Responder

Anônimo - 16, dezembro 2015 às (16:59)

oiii estou no 4 ano e bom usar esse lapis na escola

Responder

Curso de Aquarela

<div class="titulo curso-de-aquarela"><h6>Curso de Aquarela</h6></div>

Mora em Fortaleza e quer aprender aquarela? Eu ofereço turmas regulares no Estúdio Daniel Brandão. Clica aqui pra saber mais! ;)

Ju Rabelo na sua cidade!

<div class="titulo ju-rabelo-na-sua-cidade"><h6>Ju Rabelo na sua cidade!</h6></div>

Quer uma oficina de aquarela na sua cidade? Então clica aqui pra cadastrar seus dados! :)

Receba as atualizações no seu e-mail! Assine abaixo e fique sempre por dentro das novidades:


Juliana Rabelo • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPress • Desenvolvido por Responsivo por