27 janeiro 2015 arquivado em: Blog

Um dia desses, estava me sentindo muito tensa com os trabalhos do dia-a-dia; resolvi parar um pouco e brincar de fazer colagens, que é algo que sempre me deixa bem relaxada, além de aguçar minha criatividade. Hoje, mostro pra vocês as colagens que estão no meu sketchbook, e conto algumas dicas e curiosidades sobre a técnica.

O que você precisa?

De um sketchbook que aguente o tranco da cola e das coisas que cê vai colar nele. Eu agora uso o que recebi da Miolito (veja todos aqui), que possui espaço interno entre os ‘gominhos’ de folha, e que é recheado com folha mais grossinha, além de ter o elástico pra segurar tudo. Não precisa gastar rios de dinheiro com o caderninho – quanto mais simples, é até melhor pra não intimidar.
Você também precisa de tempo livre – se não tiver, dá um jeitinho, separa meia hora pra fazer isso; se você não estiver relaxado, o negócio não funciona, vai travar, vai colar os dedos, cê vai se estressar e rasgar tudo.
Além disso, uma colinha em bastão, tesoura, e uma porção de revistas velhas. Simplesmente vá recortando e rasgando tudo o que te chamar a atenção de alguma forma, e separe em um canto; o que acontece depois que você ficar esgotado dessa fase? Isso mesmo. Sair colando tudo!

Não precisa fazer sentido
Acho que um dos maiores causadores do temido artblock (bloqueio criativo) é a pressão que nós mesmos criamos e exercemos sobre nós mesmos: a necessidade de fazer tudo “certo”, o medo de “errar”, e a mania que a gente tem (estou me incluindo nesse meio) de achar que tudo que a gente faz tá feio.
O momento da colagem é pra você abstrair tudo isso, a pressão interior e exterior, e deixar cada imagem recortada te guiar por caminhos desconhecidos. É o momento em que você tem vontade de fazer uma coisa, e faz. É um momento de experimentação, e principalmente de seguir instintos, sentimentos, formas e cores.

Tudo que há de bom
Pode até não funcionar pra todo mundo, mas os benefícios que a colagem traz pra mim são, principalmente, o alívio das tensões e o aguçamento da minha criatividade. Eu gosto de agrupar as imagens por cartela de cores ou por temas no início, e depois me deixo levar pelo feeling da coisa. Nos últimos momentos da brincadeira são quando saem as melhores colagens – quando você não assume compromisso com a estética, e se prende somente à intuição.
Fazer colagens me deixa mais livre, abre mais minha mente e me deixa mais atenta às coisas ao meu redor. Também me faz perceber beleza em pequenos detalhes, e enxergar a ordem no caos. Eu me sinto muito mais motivada a desenhar, por exemplo, depois de uma ‘sessão’ dessas; guardar todo esse impulso criativo no sketchbook é ótimo, pois tudo pode virar referência para um próximo projeto.

Eu já fiz outras postagens sobre colagens por aqui (clica pra ver!), e nunca canso se ressaltar o quanto essa atividade é importante. Sério, se você leu o post até aqui, eu te desafio a fazer uma colagem. Só uma! Não precisa ser a melhor colagem do universo. Pode ser em folha de caderno, numa porta, num cartãozinho… Onde você quiser. E depois cê vem aqui e me conta como foi a experiência, certo?
Eu recomendo fortemente a colagem pros momentos de bloqueio criativo, de tensão, de ‘branco’ e de todas essas coisas ruins. É o que mais funciona comigo, competindo acirradamente com um bom banho de água fria.
*
E vocês, têm o costume de fazer colagens? Têm um sketchbook? O que vocês fazem quando estão com bloqueio criativo? Me conta aí nos comentários!
Beijinhos ♥
tags:
0
amaram
    Sketchbook #16
    Novidades da Miolito + concurso cultural (encerrado)! o/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

24 Comentários

Receba atualizações sobre cursos, eventos, atualizações no blog, novos produtos e promoçoes na lojinha direto na sua caixa de entrada! ps: sem spam, só amor <3
Receba atualizações sobre cursos, eventos, atualizações no blog, novos produtos e promoçoes na lojinha direto na sua caixa de entrada! ps: sem spam, só amor <3
Todas as imagens e conteúdos presentes neste site são de autoria de Juliana Rabelo, exceto quando sinalizadas.
Copyright © 2013 - 2020 Juliana Rabelo. Todos os direitos reservados